O que nossas empresas podem aprender com a aviação?

12

Por Rodrigo Schittini, CEO Guiando

Quem me conhece há mais tempo sabe que, desde muito novo, sou apaixonado por aviação e por empreendedorismo.

Na verdade, um dos motivos de ter começado a Guiando foi que nosso primeiro contrato exigiria muitas viagens (a maioria de avião)… E eu, com 20 anos, só queria isso.

Fato é que, desde então, me tornei um empreendedor. Tive as mais diversas experiências na Guiando e em mais outras duas empreitadas (que não tiveram sucesso).

Já na aviação, minha paixão era alimentada por inúmeras viagens, sem me aprofundar nesse universo.

Porém, há alguns anos, comecei a acompanhar o canal do Lito (Aviões e Música). Ele é um engenheiro mecânico aeronáutico, que faz vídeos incríveis contando muito sobre aviação e como esse mundo evolui para se tornar mais eficiente e seguro ao longo dos anos.

À medida que eu ia aprendendo um pouco mais a respeito desse universo, fui notando como a aviação pode nos ensinar práticas e nos dar exemplos que podemos aplicar nas nossas empresas.

Coisas que, quando falamos de uma operação aérea parecem tão óbvias e quando fazemos o paralelo com nossas empresas percebemos que não são tão evidentes assim.

Isso porque, na aviação, um conjunto de falhas pode provocar centenas de mortes mas, com 40 milhões de vôos comerciais por ano, são raríssimos os acidentes fatais.

Só para citar um exemplo, uma falha de comunicação foi uma das principais causas do maior acidente aéreo de todos os tempos. Mais de 600 pessoas morreram. Quando olhamos o relato deste caso fica explícito que algo precisa mudar para que isso não se repita, afinal centenas de pessoas morreram.

Quantas vezes percebemos falhas de comunicação em nossas empresas que levam a erros importantes e, apesar de aprender sobre o erro e capacitar as pessoas para que não o cometam novamente, não tratamos na origem para evitar que novas falhas de comunicação provoquem outros tipos de erros.

Se pensarmos que uma nova falha na comunicação pode gerar uma morte, fica óbvio.

Um dos maiores aprendizados que tenho tirado é como a aviação não deixa que nenhum acidente seja “em vão”. Sempre há uma investigação e os aprendizados levam a mudanças nas normas, equipamentos, treinamentos. Enfim, se vai ao limite para que aquelas causas não sejam, nunca mais, origem de um novo acidente.

E os procedimentos são levados muito a sério, e todo recurso crítico possui redundância.

Só esta lição, se conseguirmos transferir para nossas empresas, já provoca um impacto transformador.

Estou preparando uma série de artigos trazendo alguns exemplos práticos que fazem um paralelo do universo da aviação com a gestão de empresas, incluindo algumas práticas que estamos adotando na Guiando, que com certeza trarão insights para você usar na sua companhia (ou área de atuação). O primeiro contará como uma sutil mudança na comunicação entre torre e cabine poderia ter evitado o maior acidente aéreo de todos os tempos, poupando mais de 600 vidas.

Espero que gostem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Like
Close
Close